26 de out de 2011

Carne SUÍNA : vale a pena sim !


Todos conhecemos o quanto pode ser saboroso degustar um prato de carne de porco ou suina, pelo seu sabor muito especial e pela facilidade com que absorve os temperos e os enriquece em nosso paladar. Um manjar ao qual muitos ainda resistem, em alguns casos por preconceito e também porque recentemente aos e falar erradamente de gripe suína, esse boato fez com que se espalhasse a ideia que comer carne de porco poderia trazer grave prejuizo para  saúde. Nada de mais errado e enganador.

Carne de Porco pode e deve ser consumida sem perigo, desde que bem cozinhada e aproveitando todo o seu potencial de sabor e de3 vantagens para a saúde.

Na verdade a carne suína é saudável e saborosa. No mundo todo  ela é a carne mais consumida (64%, contra 27% da bovina e 8% da carne de frango), com exceção do Brasil, onde ela aparece em terceiro lugar. Por quê?

Porque até uns trinta anos atrás, no Brasil, o porco era criado sem cuidado, solto ao redor das casas de fazendas, comendo tudo o que encontrava. E a sua finalidade principal era produzir banha, pois se vivia então uma época em que quase não havia óleos vegetais e em que todos os alimentos eram preparados banha, inclusive na sua conservação.

Para a produção de banha do porco, o ideal era que o animal pesasse até 300 quilos, mas, hoje em dia um animal médio pesa em torno de 110 quilos e sua gordura foi reduzida em até 80%, porque o objetivo hoje é a carne, e não mais a banha.

No entanto,  o preconceito ficou e é o que  campanhas  como aquela que foi denominada "Um novo olhar sobre a carne suína",  estão tentando erradicar, mostrando que hoje o suíno é produzido em instalações adequadas, tratado com toda higiene, alimentado corretamente e que passa por pelo menos cinco inspeções antes de ser declarado apto para o consumo.
Um terceiro fator é também importante e merece ser destacado: a suinocultura é um elemento importante de fixação do homem no campo, proporcionando emprego e renda a milhões de pessoas, evitando que venham aumentar o círculo de pobreza das cidades.

O custo para instalar cada pessoa na cidade é sete vezes maior do que o de conservá-la no interior, onde, ao invés de dependente, é produtiva e certamente, feliz. E há espaço para isto. 

O Brasil é o quarto maior produtor mundial e também o quarto maior exportador mundial, justamente porque o consumo interno não é expressivo. A Associação Brasileira de Criadores de Suínos (ABCS) e todas as suas afiliadas estaduais por isso estão empenhadas em aumentar o consumo interno, que é de apenas 13 kg/habitante ano (dos quais 10% em forma de produtos industrializados, como linguiça, presunto, salame etc., e apenas 3% em forma de cortes), contra 26 kg no Paraguai, por exemplo, e 67 kg na Áustria. A campanha começou em 2007, já aumentou as vendas de carne suína nos supermercados entre 50% e 270%, sinal de que a população brasileira sabe, sim, apreciá-la.

Benefícios da carne suína

O médico nutrólogo, Maximo Asinelli, ressalta que as características físicas e químicas da carne suína são imensas. "Além se serem saudáveis, sua maciez e sabor agradável, são fatores que tornam a carne suína bem aceita pelos consumidores" e completa, "a carne suína possui adequado teor de proteínas (19 a 20% na carne magra) com boa combinação de aminoácidos essenciais, apresentados em forma biologicamente disponível. Também é uma excelente fonte de vitaminas do complexo B, principalmente de Tiamina (B1), Riboflavina (B2) e Cobalamina (B12)", diz Máximo.

A Tiamina, por exemplo, é importante para o metabolismo das gorduras, carboidratos e proteínas, e essencial no sistema nervoso central e devido a isto é conhecida como vitamina antineurítica.

Já a Riboflavina - só encontrada em tão grande quantidade na carne suína e no leite - é essencial para a formação de células vermelhas do sangue, para a ocorrência da neoglicogênese e na regulação das enzimas tiroideanas. A riboflavina combina-se com o ácido fosfórico nos tecidos, fazendo parte de duas coenzimas: a flavina mononucleotídio e a flavina adenina dinucleotíeo.

Essas enzimas participam dos processos de oxirredução nas células e como enzimas desidrogenases, que catalisam o primeiro passo na oxidação de intermediários do metabolismo dos ácidos graxos e da glicose e também estão envolvidas na ativação da vitamina B6.

A Cobalamina (B12) é importante no metabolismo dos ácidos nucléicos é essencial para o funcionamento de todas as células do organismo, especialmente no trato gastrointestinal, tecido nervoso e medula óssea. Atua também na maturação das células sangüíneas vermelhas e na formação da bainha de mielina. Esta envolvida no metabolismo das gorduras, proteínas e carboidratos e também do ácido fólico.

Mas tem mais...

"A carne suína também se destaca pelo seu conteúdo de cálcio, fósforo e principalmente potássio, que tem importante função na normalidade da pressão sanguínea. E, como se sabe, a hipertensão tem alta prevalência na população humana e as principais indicações nutricionais para controlá-la são as de diminuir o sódio e aumentar o potássio",  ressalta o nutrólogo.

Outro mineral importante da carne suína é o ferro, que é biodisponível e rapidamente assimilado pelo organismo A deficiência de ferro é especialmente sentida pelas crianças e mulheres: público alvo de riscos de anemia.

Ao consumir 85 gramas de carne suína, um indivíduo atende aos seguintes percentuais de suas necessidades diárias de nutrientes: 53% de tiamina (B1), 33% cobalamina (B12), 22% de fósforo, 20% de niacina (B3),19% de riboflavina (B2), 18% de piridoxina (B6),15% do zinco ,15% do zinco 11% do potássio , 7 % do ferro e 6% do magnésio.

Carne Suína: deliciosas receitas, um sabor todo especial no nosso prato e um contributo muito positivo para a saúde em geral !

Um comentário:

  1. A cozinha da Dona Luiza é uma delícia. Antônio herdou esse talento da mãe. O bacalhau do antonio é dos deuses. Eu recomendo.

    ResponderExcluir