DONA LUIZA



DONA LUIZA sempre foi uma cozinheira de mão cheia, e uma pessoa disponível para colocar aquele seu toque pessoal na mais simples das receitas. O seu tempero fazia a diferença e o seu jeito muito especial de preparar cada prato colocavam água na boca de quem sentava na sua mesa.

DONA LUIZA não foi nunca uma cozinheira profissional, apesar de a cozinha ocupar um lugar bem importante na sua vida. Seu marido, o Pai Mendes, era um forte critico da comida de restaurantes ou preparada por outras pessoas, tal era o hábito diário, por mais de sessenta anos, de provar as delicias cozinhadas por sua companheira.

Ela sempre achava um jeito especial de cozinhar as coisas mais simples, transformando-as em delícias inesquecíveis para o nosso paladar

Os seus pasteis de bacalhau (Bolinhos de bacalhau aqui no Brasil) eram famosos, mais ainda quando acompanhados daquele maravilhoso arroz com tomate que só ela conhecia a receita.

No entanto, as receitas todas bonitinhas e planejadas não eram o forte de DONA LUIZA. Ela sempre cozinhava na inspiração, no toque mágico de seus dedos para colocar na panela ou na frigideira a quantidade exata de ingredientes e de tempero, e quando alguém perguntava pelas quantidades e componentes corretos desta ou daquela receita, eis que ela sempre falava a frase mágica: eu coloco a quantidade certa, nem mais nem menos...

Ela já não está mais entre nós, e não tem como nos passar muitos dos seus segredos. Mas de tanto assistir ela cozinhando, e do muito que ela foi nos relatando nos ultimos anos, estamos conseguindo reproduzir algumas das iguarias e manjares com que nos brindou ao longo de sua vida.

A “cozinha dos deuses” de DONA LUIZA,  está agora disponível para todos aqui em Fortaleza e cultivamos com muita seriedade os detalhes que sabemos serem os seus principais argumentos culinários, sentindo que ela nos acompanha nesta jornada pelos sabores e pelos saberes de uma cozinheira fantástica.

Foi pensando em tudo isso sentei ali na praia, contemplando o outro lado do mar, e acredito ter enxergado lá longe, para além do horizonte, uma luz ténue mas muito bela que o instinto me sussurrou ser um forte brilho de saudade no olhar de DONA LUIZA, sentada na tranquilidade de sua varanda sobre o Tejo, esse rio que ainda hoje, 500 anos após chegada de Cabral em Porto Seguro, lá na Bahia, segue se espreguiçando desde Lisboa até ao Brasil, orgulhoso da sua condição de fonte original do achamento da pátria irmã.

                   


                    





2 comentários:

  1. Franciele e Ricardo30/10/2011 15:21

    Que singela homenagem! Parabéns e muito sucesso, Antonio!
    Temos certeza que Dona Luiza está muito feliz em ver que seu patrimônio imaterial - seu saber fazer - está sendo imortalizado por você!

    Grande abraço!
    Fran e Ricardo
    São Paulo-SP

    ResponderExcluir
  2. Antonio!
    Seu blog realmente é de muito bom gosto!
    E a homenagem a sua mãe, que já não se encontra aqui na terra, muito merecida por D.Luiza.
    Desejo muito sucesso neste novo empreendimento!
    Boa sorte!
    Ana Maria

    ResponderExcluir